Avançar para o conteúdo principal

Mensagens

A mostrar mensagens de Julho, 2006

As dedos na 365

Ontem, aquando da minha ida ao Porto, encontrei na prateleira a 365, uma revista que venho acompanhando desde a sua criação. Bastante mais magra em todos os aspectos, consumi a revista de uma ponta à outra durante a minha viagem de regresso no extraordinário Alfa - um verdadeiro luxo, fodaaaaaaa-se!

Gostei mesmo muito de dois textos. Porém, este excerto que faz parte de um aparte de umas linhas de Golgona Anghel, guarnecido com uma ilustração do grande Alex Gozblau, prendeu-me a atenção.

Assim o li:

"É aconselhável pegar entretanto num resto de papel e entreter as suas mãos com gestos quase nervosos de formas lúdicas; atirará assim a atenção da mulher para os seus dedos, os quais, diga o que se disser, serão sempre no imaginário feminino uma promessa de carícias"

O Grupo Editorial continua a foder a "Viperina" - Uma real ESCANDALEIRA!!!

Há um certo Grupo Editorial que continua a fazer das suas. Há uns dias, soube da escandaleira que aconteceu numa das revistas daquela empresa: a "Viperina".

Os jornalistas nunca tiveram aumentos significativos, andando sempre por ordenados entre os 650 e os 900 euros - acrescentando o facto do seu trabalho nunca ter sido reconhecido por ninguém!!! O que é engraçado é que a directora recém-chegada vem receber mais de 5000 euros e o chefe de redacção quase 4000!

O que é muito grave nesta situação é que esse Grupo Editorial despediu, recentemente, alguns profissionais, alegando falta de verbas para pagar ordenados de 1000 euros. Falta de verbas? E agora vem gastar 9000 euros com apenas duas pessoas?! Tenhamos em atenção que esta soma de dois ordenados - por mês!!! - compõem a indmenização de um trabalhador despedido com seis anos de casa!!!

Ainda por cima, estes dois senhores não são, de todo (!), nenhumas "estrelas". São apenas amigos daqueles "amigos". QUE POU…

Outra realidade, por favor...

A Família Feliz sempre foi cruel para todos nós!

Devido a acções de melhoria da rede TV Cabo na sua zona, durante a madrugada de amanhã poderá ter uma quebra nos seus serviços de TV e Internet.
ou...
Devido ao facto de gostar tanto, mas tanto de ti, vou deixar de te ver para seres mais feliz.
ou...
Somente com o intuito de te proteger , vou-te ignorar de forma selectiva, consoante o espaço ou as pessoas presentes.

Molko

Lembras-te P.F.? És o Brian Molko quando o ouço!

I know, you love the song but not the singer
I know, you’ve got me wrapped around your finger
I know, you want the sin without the sinner

I know, the past will catch you up as you run faster
I know, the last in line is always called a bastard
I know, the past will catch you up as you run faster

I know, you cut me loose in contradiction
I know, I’m all wrapped up in sweet attrition
I know, it’s asking for your benediction

Concepções de vida

«Dei-me sempre com pessoas que têm uma concepção original da vida, que não se deixam levar pelo que lêem nos jornais, sabendo muito bem ler nas entrelinhas. Tais pessoas são felizes. Eu fui sempre feliz. Comigo só trago o bilhete de identidade, ou melhor, o cartão de residente. É o único cartão que trago na carteira, não tenho cartão de crédito nem livro de cheques. A vida é maravilhosa, mas é preciso uma pessoa saber desprender-se de tudo isso que desgraçadamente dá felicidade aos imbecis.»
Albert Cossery

Cold, mother...

Mother dear, the world's gone cold
No one cares about love anymore

Efémero

Embora endireite a coluna antes de labutar, seque os olhos com a expressão de um pequeno sacrifício diário, finge não querer olhar para trás, a verdade é que, apesar do tempo passar, olho para todos os lados ao mesmo tempo – para ti que, e sabes bem (!), me deste tanto, ou mesmo para ele(s), onde se arrumam todos os defeitos. Não esqueço que nem de vidro somos feitos, mas sim de um material quebrável, independente do lugar, do espaço ou do tempo.

Episódios... Especial: 10.000 Visitas

Um destes dias estava a almoçar com uma amiga num espaço cibernético e esta manifestou a sua alegria por ter voltado a escrever na Alienação Zorziana, embora, e com toda a razão, se recuse a comentar - no seu caso, percebo perfeitamente. Parecia mais entusiasmada do que eu. O blog não é mais do que um espaço onde, meus amigos (!), sempre retorna o seu criador; hoje com uma postura de zombie: braços estendidos e a grunhir umas quantas merdas para quem ainda me queira ouvir. Já agora, um abraço a quem anda a apregoar a minha queda para os abandonos. Sabem qual é o meu número de telefone, não sabem?! Está sempre ligado e à vossa disposição.