Avançar para o conteúdo principal

Mensagens

A mostrar mensagens de Novembro, 2005

Dois em um: Como se faz isto a um cão? & A frase de 2005 vai para...

Belém, um pit bull preto, com apenas sete meses, foi salvo de uma morte prematura. Participava numa luta ilegal de cães, assistida por cerca de 50 pessoas, quando três militares da GNR alertados para o sucedido pelo telefone, acorreram ao local, perto do ‘Campo da Bola’, na Trafaria, concelho de Almada. Desculpem a ira, mas é preciso ser-se muito filho da puta para se colocar um bicho destes em confronto com a vida!



"Acho que quem julgue que eu não sou esperto o suficiente está a fazer um cálculo por baixo"

(George Bush, outro iluminado por dEUS!)

Eram às dezenas: os vultos...

Por muito que tente ultrapassar, os vultos estiveram lá a assaltar a sua relutância pelo transcendente. Roubaram-lhe a tranquilidade por uma noite e assustaram-no de morte. Outros dias surgiram onde olhou todos os recantos de pouca luz, retardando o desespero de ser confrontado novamente por outras figuras sem forma, sem cara: vultos. Estará ele susceptível? Iluminem-lhe as divisões da casa. É no escuro que eles surgem.

Procura-se morto ou vivo - se bem que é preferível morto!

Esta estranha criatura foi vista ontem no centro de Lisboa. Milhares de pessoas entraram em histeria, o que levou a um ataque de pânico geral ao vislumbrarem tamanha figura horripilante!

Pepe Frank, meu querido amigo

Ainda imberbes testemunhámos o peso dos nossos sonhos. E eram tantos, afinal. Foi com franca tristeza que te vi segurar o rebento e, tão desajeitado como sempre foste, a mochila colorida da tua mulher: a única peça a destoar do teu corpo cada vez mais magro e sem alegria. Vi-o nas covas do teu rosto revelador, nesse sorriso que já não faz sorrir ninguém. Contrair-me-ei em penosas dores de alma. Há uns anos éramos putos, cheios de esperança. Se bem que eu continue a ser um sonhador imbecil, é para ti que olho com comoção. Foda-se, Pepe, o que raio nos aconteceu, puto?

dEUS PARA TOTÓS E MITRAS

Quem muito pensa, pensa descobrir a causa...



ABORDAGEM DE TOTÓ

dEUS: Repousa o fôlego de quem não quer serenar. Não tens vindo a parar para parar de pensar. Sei e não o digas... pelo menos, alto!

Totó: Só vejo rastos de nada, Senhor!

dEUS: De nada o menos. Será que não entendes, pobre criatura? Descobriste a causa das coisas. Mas, por favor, não contes a ninguém a enorme fraude que sou.

Totó: Não vos vejo, Senhor!

dEUS: Então fecha os olhos e volta a parar para que não voltes a pensar. Volta para o teu lugar, junto dos teus pobres irmãos.

Totó: Sim, Senhor. Os seus desejos são ordens para mim!

ABORDAGEM DE MITRA

dEUS: Repousa o fôlego de quem não quer serenar. Não tens vindo a parar para parar de pensar. Sei e não o digas... pelo menos, alto!

Mitra: Foda-se, quem és tu, ó palhaço! Estás sempre a repetir essa merda para quê, afinal?

dEUS: Não podes falar comigo nesses termos. Não sabes quem eu sou!

Mitra: Deixa-me adivinhar... Já sei: o Abel Dias, o fotografo do social?

dEUS: Como ousas co…

Harder Faster Scooter

(Um dia vou ser grande e tu hás-de vir aqui ao menino... ao menino!)

Agora que estou - juntamente com o Milagretes, o Chinês e o Louro! - a um passo de ficar "federado" (bem, federado, federado, não é bem o termo!) em Spin Bike, resta-me confessar neste post absolutamente imbecil que estou apaixonado por esta modalidade desportiva!

Bem, meus camaradas alienados, e o que eu gosto de cantar aquela música Faster Harder Scooter em altos berros, isto enquanto a banda sonora das aulas fura-me os tímpanos, as luzes os olhos e a carga em 4, posição 3, me fode completamente as pernas.

Qualquer dia, inscrevo-me na Volta a Portugal.

Sim, um dia eu vou ser grande e eles hão-de vir aqui ao menino... ao menino!

Objecto luzente

Precisas de uma pausa. É hoje tempo de queda em folha. Estalam que nem brocas de bolota: as folhas, naturalmente (!). Estala a tua cabeça também. Os ruídos de quebra que se quebrarão com a pausa no banco de jardim. Usarás sobretudo preto. O frio regelará a tua derme. Ouvirás o sussurro do vento e sentirás perto o voo breve das folhas em queda. Fumarás o tua broca de bolota. Cruzarás as pernas e apoiarás o cotovelo esquerdo sobre o joelho oposto. Junto aos chaparros distantes com folhas frágeis em queda irromperá um homem enigmático. Perceberás que escurece o olhar com lunetas escuras. Manuseia um objecto luzente - ferir-te-á a vista! O que traz ele afinal? Olha, vê, rápido, mais rápido, vê... Ele caminha a passos apressados na tua direcção. Não terás tempo. Quem será? Pergunta, pergunta, raios! Pergunta, pergunta!

- Tu, tu... quem és? - sublinharás a curiosidade cortante.
(pausa)
- ... o espelho do tédio!

És tu? Jorge de França? Jorge de Paris de França? És tu? Voltaste? És mesmo tu, Jorge de Paris de França?

(a páginas tantas)
- Mãe, agora não tenho tempo...
- Sim, mas olha quem está aqui...
- Estou sim, Zorze?
- Jorge?
- Zorze, como estás?
- Jorge de França? De Paris de França?
- Sim!!!
- Eh, caraaaaaaaaaaalho... fodaaaaaaaaaaaaaaa-se, já não falava contigo há colhões!

Há colhões mesmo, foda-se! O meu primo Georges, mais velho do que eu, foi a personagem com a qual apanhei a maior bebedeira da minha vida. O mais engraçado desse belo momento... esperem, lembro-me agora que foi a segunda maior - a primeira foi quando penetrei no carro dos noivos David (primo) e Paula completamente encharcado em álcool. Sim, mas retomando a conversa, nesse dia indelével, o meu primo Georges, irmão da Natalie, enterrou-se até às orelhas...

(à mesa com 20 pessoas, sendo que conhecíamos só quatro indivíduos)

- Já viste Zorze, aquele CASAL LEVANTOU-SE E FOI ATÉ À VARANDA...
- ya...
- Já viste, ele QUER FRUTA...
- ya... - respondia ou fazia por isso.
- Será que - e é agora que se dá a magia! - VÃO FODER QUE NEM DOIS CÃES, EH, …

Os animais fartaram-se dos porcos e dos seus falsos bons propósitos políticos!

A revolta da Cimeira das Américas e agora o coração da Cidade-Luz a arder. Por algum motivo, e embora a fábula de Orwell seja uma analogia da traição de Josef Stalin à causa bolchevista, a verdade é que o cenário que se afigura só me faz crer que ainda há esperança no Mundo...

A minha doce L.A.

Há quem não a entenda. Coração na boca e na boca em palavras, manteiga. Sim, daquela que se derrete facilmente se for nossa a vontade de a entender. Mas há quem não a entenda. Gosto de gostar dela. É pequenina e os seus olhos brilham apaixonadamente pela vida. É meiga e feminina. É bonita - aliás, muito bonita. Gosta de chamuças e de sorrir. Gosta das cobras que se bebem: as indianas. Adora que gostemos dela. Mas há ainda quem não a entenda! Eu sim, não te preocupes...

Lótus Azul


* Há oito anos que te conheço e que te acho, simplesmente, gira! *

Educação subliminar-entre-linhas-toma-toma-e-tal-e-os-americanos!

Dedicado ao gajo mais fofo do bairro: o meu AMIGO Diaz!!!



- Papá Diaz, como é que eu nasci?

- Bom, primeiro os americanos lançaram 90 milhões de bombas de fragmentação sobre o Camboja e depois há uma coisa que se chama sexo. Em 1971, quando Pinochet invadiu, com o apoio dos americanos, o palácio presidencial e matou Salvador Allende, existem, então, o pénis e a vagina. Em contacto um com o outro, isto numa guerra de muletas, onde os americanos não descobriram quaisquer armas químicas, pode proporcionar a gravidez da mulher. Nove meses depois, quando o único interesse dos americanos e dos judeus é endividar e minar o Mundo, sobretudo a Europa, dá-se o nascimento do rebento. E assim, enquanto a administração Bush põe em curso a profecia totalitária de Orwell, dá-se o milagre da vida. Bem-vindo ao Mundo, puto!

* Parabéns pela odisseia que se avizinha, caríssimo... e, já agora, não atrofies muito os neurónios ao puto. Já basta um chato como tu na Terra ; )