Avançar para o conteúdo principal

Fim do final de emissão: Ai, eu não confio nada nesses monhés!

Example

Aquando do 11 de Setembro, há uma criatura iluminada de meia-idade que partilha a seguinte pérola:

- Ai, eu não confio nada nesses monhés! Já sabia que eles não eram certos da cabeça.

- Monhés... ou muçulmanos? - perguntei...

- Ui, filho... São todos iguais, essses grandes filhos da puta.

Lembrei-me da seguinte citação de uma película famosa, tão citada pelo Zez:

"Há duas coisas que eu não suporto: As pessoas que são intolerantes com as outras culturas e os dinamarqueses"

P.S. - É possível que esta citação esteja incorrecta e não sejam, afinal de contas, dinamarques. Se calhar são suecos ou noruegueses - mas, também, são todos loirinhos e de olhos azuis.

Comentários

  1. de volta a estas lides? ou isto foi novamente tomado por "terroristas"?

    ResponderEliminar
  2. zorzinhoooooooo! tu voltaste!!!!!!!!!!! ai que bom! fico tão contente! :):):) ai que saudades!

    ResponderEliminar
  3. Este homem é um senhor...carago!

    ResponderEliminar
  4. Obrigado a todos, camaradas. Qd tiver mais tempo, estarei um pouco mais presente. Abraços e beijos *

    ResponderEliminar
  5. xostrinha3:26 da tarde

    A dizer mal dos louros hã? Mais moderação ou acabou-se a "cobóiada".

    ResponderEliminar
  6. os noruegueses são os únicos (a par com os japoneses) que ainda caçam LEGALMENTE baleias!

    Que é quase a mesma coisa que matar americanos, com o problema de obesidade que por ali arrasa a malta!

    No outro dia, virei-me para um turista americano e gritei-lhe. "Vomita mazé o Pinóquio, pá"!

    -Esta ainda te vai obrigar a pensar umabéka-

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Die Liebesbriefe einer portugiesischen Nonne

Gosto mesmo deste registo de mamas!

Tinha, talvez, cinco anos quando vi a Ana Zanatti e as suas amigas freiras em cenas lesbianas e, naturalmente, vem daí o despertar precoce da minha libido.

Só consegui a capa do filme em Inglês. Sorry...

Rapsódia contemporal-conceptual - OU - Ya, Zé

Onde é que se liga aqui este megafone?... Ouçam: artigos pequenos e outros um pouco maiores com mais de 80% de mínima importância. O tapete, o cristal, os dourados. Ai, como são lindos os dourados! Os saldos! Ui, dEUS meu, já começaram? Pretexto. Vamos já, vamos já! Quero ver essa selectividade minimalista dos espaços decorados sem nada. Os dias da reinvenção. Presunção. Sei mais do que tu! Eu sim, sou especial. Antena e o tempo. Vem de onde? Massamá! E o que nos traz hoje? Venho cantar Celine Dion em português. Escolha ousada. E porquê a Celine? Ai, é simplesmente linda: sempre foi! Dias de festejo. Kizombada depois da lambada lambuzada ao seu tempo. 2 tempos. 4 tempos. Motores potentes. A tecnologia gritante. Si, cariñoooooo! Iphones, S8's, S9's, 5 Mini S´s. Fodeu! É assim que se diz? Depende do que queres dizer!? Quem? A mulher, o patrão, o empregado, a amante turbinada, o senhor do banco? Tenho certezas, tenho opiniões. Como diziam os outros, já sei namorar e beijar de bo…

Como pode um homem sem escrúpulos fornicar a sua amiga lésbica?

Embriagados e fumados, dois amigos estendidos no chão da cozinha. . .

Amiga: Qual é o meu problema em gostar de gajas?
Amigo: O problema é que se não fosses lésbica já teríamos um programa melhor do que ficarmos a arrefecer no chão.
Amiga: Não te preocupes. Posso sempre dar-te um xi-coração.
Amigo: Olha, já cheiraste este lenço?
Amiga: O que tem?
Amigo: Cheira!
Amiga: Está bem. Humm… bah, cheira a… a… a… hospital…
Amigo: Diz antes a sonorífero!