Avançar para o conteúdo principal

Que cena a do Senna – OU – A Senna de ontem

Ontem, aquando da execução dos meus 250 abdominais – hoje serão 450, se dEUS quiser -, o meu instrutor falou-me no processamento mental. No início, pensei que seria uma daquelas conversas do “fala-para-aí-que-eu-faço-de-conta-que-te-ouço”. Curiosamente, não foi! Disse-me que quanto mais rápido for o nosso processador, mais tempo temos que o tempo real. Isto vem explicar a queda que dei há uns bons anos de um 1º andar, onde vi toda a minha vida passar numa sequência de slides. Aí, o processador acelerou de tal forma que tive todo o tempo do mundo para mirar os capítulos da minha existência. Seleccionei, inclusivamente, as 10 melhores quecas… esperem um pouco, mas eu só tinha 12 anos nessa altura e só me masturbava a pensar na Debra Winger e na sua voz rouca. Mais: o homem dos músculos exorbitantes disse-me que no Estoril, o Ayrton Senna teve tempo para perceber a presença de um amigo numa chicane que fez a alta velocidade. Foi por isso que sublinhou em início de conversa: “Que cena a do Senna”. “Como assim?”, perguntei. “Bem…”, respondeu, “Zorze, deixe-me, então, falar-lhe um pouco de processamento mental”. “Processamento mental? Como assim?”

Comentários

  1. Acho a Liv Tyler mais bonita...

    ResponderEliminar
  2. Deixa de merdas e faz mas é os abdominais. Este gajo tem uma cá uma lábia, processamento mental, não será antes processamento muscular?

    ResponderEliminar
  3. Nunca lhes vi os pés... não posso dizer nada.

    Já a Chloë Savigny é outra história! Também não lhe vi os pés, mas vi o seu desempenho oral no Brown Bunny, pelo que... arriscava um tímido "descalça-te lá, vá, môr"!

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Die Liebesbriefe einer portugiesischen Nonne

Gosto mesmo deste registo de mamas!

Tinha, talvez, cinco anos quando vi a Ana Zanatti e as suas amigas freiras em cenas lesbianas e, naturalmente, vem daí o despertar precoce da minha libido.

Só consegui a capa do filme em Inglês. Sorry...

Rapsódia contemporal-conceptual - OU - Ya, Zé

Onde é que se liga aqui este megafone?... Ouçam: artigos pequenos e outros um pouco maiores com mais de 80% de mínima importância. O tapete, o cristal, os dourados. Ai, como são lindos os dourados! Os saldos! Ui, dEUS meu, já começaram? Pretexto. Vamos já, vamos já! Quero ver essa selectividade minimalista dos espaços decorados sem nada. Os dias da reinvenção. Presunção. Sei mais do que tu! Eu sim, sou especial. Antena e o tempo. Vem de onde? Massamá! E o que nos traz hoje? Venho cantar Celine Dion em português. Escolha ousada. E porquê a Celine? Ai, é simplesmente linda: sempre foi! Dias de festejo. Kizombada depois da lambada lambuzada ao seu tempo. 2 tempos. 4 tempos. Motores potentes. A tecnologia gritante. Si, cariñoooooo! Iphones, S8's, S9's, 5 Mini S´s. Fodeu! É assim que se diz? Depende do que queres dizer!? Quem? A mulher, o patrão, o empregado, a amante turbinada, o senhor do banco? Tenho certezas, tenho opiniões. Como diziam os outros, já sei namorar e beijar de bo…

Como pode um homem sem escrúpulos fornicar a sua amiga lésbica?

Embriagados e fumados, dois amigos estendidos no chão da cozinha. . .

Amiga: Qual é o meu problema em gostar de gajas?
Amigo: O problema é que se não fosses lésbica já teríamos um programa melhor do que ficarmos a arrefecer no chão.
Amiga: Não te preocupes. Posso sempre dar-te um xi-coração.
Amigo: Olha, já cheiraste este lenço?
Amiga: O que tem?
Amigo: Cheira!
Amiga: Está bem. Humm… bah, cheira a… a… a… hospital…
Amigo: Diz antes a sonorífero!