quinta-feira

Esconderijo.

A chuva que lustra este alcatrão não tem o cheiro da terra molhada das serventias. Os ténis ensopados de água e lama. Procuro-te. Deslumbrado entre as amoras delicadamente retiradas às silvas silvestres. Imaginando. Fantasiando. Com a boca avermelhada de inocência. Para que possa seguir o meu regresso. E para que a essência, a minha, seja sempre feita aí.

"(...) amoras delicadamente retiradas às silvas silvestres."

Sem comentários:

Enviar um comentário