Avançar para o conteúdo principal

Vestígios de um ensaio sobre um robe escarlate.



Devias olhar-me agora. Não te consigo precisar há quantos dias me alimento da ração dos teus gatos e quantas castas suculentas provei da tua garrafeira. Tínhamos o nosso quarto soalheiro sempre descoberto e uma vontade infinita de nos amarmos. Eu, sem nunca me querer vestir, e tu, no teu robe escarlate, sempre procurando um pretexto para o arrastares pelo chão. O teu robe escarlate, o mesmo que vestias criteriosamente após a primeira queca, cobria o teu corpo magro e esguio acima dos joelhos. Com o desvelo habitual, desenlaçava o cinto igualmente doce que o prendia, contrariando o teu batimento cardíaco. Já libertos do frenesim inicial do sexo desajeitado, descobríamos enfim um jeito para nos virmos.

Comentários

  1. Humm, me deu vontade de fazer umas coisinhas depois de ler esse post rsrsrs...mas enfim eu sublimei e a primeira coisa que fiz foi comentar aqui rsrs...um robe escarlate, muito interessante rsrs... GOSTEI MUITO MESMO!!!

    ResponderEliminar
  2. Tu desculpa lá... o robe até combina com a vista deslumbrante, não admira nada a excitação mas... essa cama é um bocado pirosa, não é?!

    ResponderEliminar
  3. priberiano2:06 da tarde

    solarengo

    do Lat. solu, solo
    adj.,
    relativo a solar (casa nobre);
    s. m.,
    senhor do solar;
    o serviçal ou lavrador que vivia no solar.



    soalheiro

    de soalho < Sol
    adj.,
    diz-se do lugar exposto ao Sol;
    s. m., fam.,
    reunião de pessoas ociosas a falar na vida alheia, habitualmente sentadas ao Sol.

    ResponderEliminar
  4. Oh Zorze... Andas a comer a Mãe Natal?!...

    ResponderEliminar
  5. olhe sinhôre aliénado: mandei ca vir uma senhora para mudar esses lençois... e pedi-lhe tb para trazer um cobertorzito q agora as noites põem-se frias... senão isto tá uma pobreza... não sei onde andam com a cabeça... o tempo que vocês passam ai nessa cama começa a deixar-nos agitados... bom mas adiante...

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Die Liebesbriefe einer portugiesischen Nonne

Gosto mesmo deste registo de mamas!

Tinha, talvez, cinco anos quando vi a Ana Zanatti e as suas amigas freiras em cenas lesbianas e, naturalmente, vem daí o despertar precoce da minha libido.

Só consegui a capa do filme em Inglês. Sorry...

Rapsódia contemporal-conceptual - OU - Ya, Zé

Onde é que se liga aqui este megafone?... Ouçam: artigos pequenos e outros um pouco maiores com mais de 80% de mínima importância. O tapete, o cristal, os dourados. Ai, como são lindos os dourados! Os saldos! Ui, dEUS meu, já começaram? Pretexto. Vamos já, vamos já! Quero ver essa selectividade minimalista dos espaços decorados sem nada. Os dias da reinvenção. Presunção. Sei mais do que tu! Eu sim, sou especial. Antena e o tempo. Vem de onde? Massamá! E o que nos traz hoje? Venho cantar Celine Dion em português. Escolha ousada. E porquê a Celine? Ai, é simplesmente linda: sempre foi! Dias de festejo. Kizombada depois da lambada lambuzada ao seu tempo. 2 tempos. 4 tempos. Motores potentes. A tecnologia gritante. Si, cariñoooooo! Iphones, S8's, S9's, 5 Mini S´s. Fodeu! É assim que se diz? Depende do que queres dizer!? Quem? A mulher, o patrão, o empregado, a amante turbinada, o senhor do banco? Tenho certezas, tenho opiniões. Como diziam os outros, já sei namorar e beijar de bo…

Como pode um homem sem escrúpulos fornicar a sua amiga lésbica?

Embriagados e fumados, dois amigos estendidos no chão da cozinha. . .

Amiga: Qual é o meu problema em gostar de gajas?
Amigo: O problema é que se não fosses lésbica já teríamos um programa melhor do que ficarmos a arrefecer no chão.
Amiga: Não te preocupes. Posso sempre dar-te um xi-coração.
Amigo: Olha, já cheiraste este lenço?
Amiga: O que tem?
Amigo: Cheira!
Amiga: Está bem. Humm… bah, cheira a… a… a… hospital…
Amigo: Diz antes a sonorífero!