quinta-feira

O meu. O teu.

Balancei-me para ver o teu vestido vermelho citadino. Consagrei o tempo à análise detalhada de todo o teu movimento. Do meneio das tuas ancas aos curvilíneos pormenores do teu corpo esvoaçante. O sorriso é matreiro e conheço-o: o meu. Suspiro o suficiente para evitar eclodir uma grave doença. Afinal, o jornal de hoje não traz tinta suficiente para me distrair do holograma que permanece na rua: o teu.

2 comentários:

  1. Gosto sempre da seleccao (com cedilha e til) musical!

    Merci

    :)

    ResponderEliminar
  2. Buckley é a bíblia, não é? *

    ResponderEliminar